Livro:Perfil da Mulher de Deus -.

Capítulo 1


A Importância da mulher na criação

Quando Deus disse “... Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” (Gênesis 2.18), certamente não estava pensando apenas na solidão de Adão, mas em todo o desenvolvimento da Criação, pois Ele sabia que tudo quanto havia criado necessitava ser sujeitado e dominado.

Sujeitado e dominado por quem? Por esta razão o Senhor, depois de haver formado o homem, tomou-lhe uma costela e a transformou em uma mulher, conforme está escrito: “E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe.” (Gênesis 2.22). E depois de ter criando a mulher, Deus abençoou aquele casal:

“... Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra.” (Gênesis 1.28) O homem, obviamente, jamais poderia ser fecundo, multiplicar-se e encher a Terra, se não existisse a mulher, que foi tirada dele para poder ajudá-lo, através da união matrimonial.

A magnitude da importância da mulher é tamanha, que se ela tivesse sido criada sem o homem, ainda assim ela tivesse capacidade de encher a Terra, pois Deus poderia fazer o mesmo que fez com a virgem Maria: conceber através do Espírito Santo.

Isto não seria possível com o homem. A ele foi dada a capacidade de sujeitar a Terra e dominar todos os tipos de animais. Á mulher, porém, foi dada a grandeza de poder gerar um filho no seu ventre.

A Força

Certamente todos já pudemos observar homens de grande estatura sendo comandados por homens de pequena estatura. E não importa realmente a estatura para subjugar, Pois a grande maioria das mulheres, não importando a sua altura, têm colocado os seus maridos sob a sua autoridade.

Por que motivo a mulher, normalmente, exerce domínio sobre o marido? Onde está a força do seu domínio? Creio que não há ninguém melhor do que o rei Salomão para responder a estas perguntas.

Ele conhecia muito bem as mulheres, pois tinha setecentas esposas, todas princesas, e trezentas concubinas. Contudo, disse: “...Entre mil homens achei um como esperava, mas entre tantas mulheres não achei nem sequer uma.” (Eclesiastes 7.28).

Isto não significa dizer que a mulher ideal não existe! Depende muito de cada um! As mulheres que ele possuía eram todas idólatras e não tinham um mínimo de temor ao Deus de Israel. E ele mesmo também já não mais tinha temor no coração para com o Deus de seu pai, o grande rei Davi.

Daí a razão de Salomão ter tido centenas mulheres, sendo que nenhuma estava de acordo co aquilo que desejava no fundo do coração, porque este havia se corrompido.

Naturalmente as mulheres pelas quais se apaixonou também eram corrompidas. Um coração corrompido só se apaixona por outro coração corrompido, mas um coração puro só aceita outro coração puro.

O diabo, lá no Jardim do Éden, não tentou em primeiro momento Adão, mas á Eva. Por quê? Porque ele tinha conhecimento de que a mulher reunia as forças necessárias pra fazer o homem se rebelar contra Deus.

Mas, afinal de contas, onde está a força de uma mulher? Certamente não está nos seus braços, nem no seu olhar.Por intermédio de alguns exemplos podemos chegar a uma conclusão. Vejamos:

Eva no jardim do Éden

O diabo semeou no seu coração a palavra de dúvida contra a palavra de Deus. O Senhor dera a seguinte ordem:

“... De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” Gênesis 2.16,17 Mas o diabo lhe disse: “... E certo que não morrerá.” (Gênesis 3.4). Então ela comeu do fruto da árvore proibida e “... deu também ao marido, e ele comeu.” (Gênesis 3.6). A pergunta é: Por que Adão aceitou a fruta da mão de Eva? Será que não conhecia a sua origem? Como pôde comê-la assim, de qualquer maneira? Ele sabia perfeitamente que aquela fruta era proibida, mas a aceitou e comeu simplesmente porque Eva lhe transmitiu a mesma palavra de dúvida que recebeu de Satanás.

Ela o persuadiu da mesma forma como o foi pela serpente, até porque não queria ser punida sozinha! Isto, lamentavelmente, também acontece com muitos portadores do vírus do HIV, o vírus da Aids. Não querem morrer sozinhos e, por isso, não se importam em contaminar outros. Não esquecemos: o mesmo espírito que persuadiu a Eva naquele tempo continua fazendo o mesmo dos dias de hoje!

Sara, mulher de Abraão

No capítulo 12 do livro de Gênesis, versículos de 1 a 3, vemos que o Senhor chamou Abrão,que depois passou a se chamar Abrão, e lhe fez promessas:





“Ora, disse o Senhor a Abraão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma benção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todos as famílias da terra.”

No capítulo 16, versículos de 1 a 15, vemos a precipitação de Sarai, sua esposa, que depois passou a se chamar Sara:

“Ora, Sarai, mulher de Abrão, não lhe dava filhos; tendo, porém, uma serva egípcia, por nome de Agar, disse Sarai a Abrão: Eis que o Senhor me tem impedido de dar á luz filhos; toma, pois, a minha serva, e assim me edificarei com filhos por meio dela. E Abrão anuiu ao conselho de Sarai.

Então, sarai, mulher de Abrão, tomou a Agar, egípcia sua serva, e deu-a por mulher a Abrão, seu marido (...)Ele a possuiu, e ela concebeu. Vendo que havia concebido, foi sua senhora por ela desprezada (...) Sarai humilhou-a, e ela fugiu da sua presença. Tendo-a achado o Anjo do Senhor junto a uma fonte de água no deserto, junto a fonte no caminho de Sur, disse-lhe: Agar, serva de sarai, donde vens e para onde vais? Ela respondeu: Fujo da presença de Sarai, minha serva.

Então, lhe disse o Anjo do Senhor: Volta par tua senhora e humilha-te sob suas mãos. Disse-lhe mais o Anjo do Senhor: Multiplicarei sobremodo a tua descendência, de maneira que, por numerosa, não será contada.

Disse-lhe ainda o Anjo do Senhor: Concebeste e darás a luz um filho, a quem chamarás Ismael, porque o Senhor te acudiu na tua aflição. Ele será, entre os homens, como um jumento selvagem; a sua mão será contra todos, e a mão de todos, contra ele; e habitará fronteiro a todos os teus irmãos (...) Agar deu a luz um filho a Abrão;e Abrão, a seu filho que lhe dera Agar, chamou-lhe Ismael.”

Os árabes, descendentes de Abraão através de Ismael, filho de Agar, julgaram ser o islamismo o cumprimento da palavra de Deus: “ Quanto a Ismael, eu te ouvi: abençoá-lo-ei, fá-lo-ei fecundo e o multiplicarei extraordinariamente; gerará doze príncipes,e dele farei uma grande nação.” (Gênesis 17.20).

Por duvidar do cumprimento da promessa de Deus, de que daria um filho a Abraão, sara fez com que sua serva lhe desse um filho, e acabou provocando uma situação cujas graves conseqüência se estenderam até os nossos dias.

Hoje temos problemas em todo o mundo, de solução quase impossível, provocados por árabes e israelenses, gerando insegurança em todo o planeta, justamente por causa daquela sugestão de Sara a Abraão... Todos os dias, na mídia impressa e eletrônica, aparecem referências ao Oriente Médio, região pródiga em conflitos, considerada um barril de pólvoras prestes a explodir.

Dalila e Sansão Sansão foi consagrado a Deus, desdê o ventre materno, para livrar Israel da opressão dos filisteus. Sua força estava simbolizada nos seus cabelos compridos, pois quando o Anjo do Senhor apareceu para sua mãe, disse:

“porque eis que tu conceberás e darás a luz um filho cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu consagrado a Deus desde o ventre de sua mãe; e ele começaras a livrar Israel do poder dos filisteus.”Juízes 13.5

Enquanto foi temente a Deus, Sansão teve forças pra subjugar os filisteus; tendo, entretanto, afeiçoado se a Dalila, os príncipes daquele povo inimigo foram a ela e disse: “...Persuade-o e vê em que consiste a sua grande força e com que poderíamos dominá-lo e amarrá-lo, para assim o subjugarmos; e te daremos cada um mil e cem ciclos de prata.” Juízes 16.5. Dalila tanto fez que acabou por saber o porquê da sua grande força. Sansão não resistiu a sua insistência e lhe revelou o seu segredo. Ela lhe cortou as cabelos e ele, além da força, acabou perdendo a própria vida.( Juízes16.30)

As mulheres de Salomão :“Ora, além da filha de Faraó, amou Salomão muitas mulheres estrangeiras: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, mulheres das nações de que havia o Senhor dito aos filhos de Israel: não casei com elas, nem casem elas convosco, pois vos perverteriam o coração, para seguirdes os seus deuses. A estas se apegou Salomão pelo amor. Tinha setecentas mulheres, princesas e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração. Sendo já velho, suas mulheres Che perverteram o coração para seguir outros deuses; e o seu coração não era de todo fiel para com o Senhor, seu Deus, como fora o de Davi, seu pai.” 1 Reis 11.1-4

A partir daí, o reino de Israel foi dividido em dois: Judá e Israel. Seus receptivos reis, os quais deram ouvido ás mulheres de Deus, tiveram êxito no governo, mas os que deram ouvidos ás mulheres endiabradas foram envergonhados e destruídos.

Jezabel e Acabe: Acabe, rei de Israel, fez o que era mal perante o Senhor, mais do que todos os que foram antes dele. Está registrado nas Sagradas Escrituras: “Como se fora coisa de somemos andar ele nos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, tomou por mulher a Jezabel, filha de Etbaal, rei dos sidônios; e foi, serviu a Baal, e o adorou (...) Também acabe fez um poste-ídolo, de maneira que cometeu mais abominações para irritar ao Senhor, Deus de Israel, do que todos os reis de Israel que foram antes dele.” 1 Reis 16.31-33 Jezabel, rainha de Israel, era na verdade quem reinava por intermédio de seu marido. Foi ela que jurou matar o profeta Elias. Escrevia também cartas em nome de Acabe e as selava com a sinete real.Assim matou todos os que atravessaram em seu caminho. A Bíblia diz que: “Ninguém houve, pois, como Acabe, que se vendeu para fazer o que era mal perante o Senhor, porque Jezabel, sua mulher, o intrigava.” (1 Reis 21.25).A mulher de Jó: Depois que Jó perdeu todos os filhos, todos os bens e até a saúde, sua mulher se aproximou dele e disse: “...Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre.” (Jó 2.10).É claro que Jó não seguiu o seu conselho; pelo contrário, ele a respondeu: “...Falas como qualquer doida...” (Jó 2.10).

A cilada de Balaão: Balaão foi um profeta que aceitou suborno de Balaque, rei dos moabitas, para profetizar contra os filhos de Israel. Por três vezes, no entanto, profetizou contra o próprio Balaque. Para não perder a grande quantia recebida como pagamento ele ensinou o rei dos moabitas a armar uma cilada, a fim de destruir o povo de Israel. Seu ensino consistiu em enviar ao acampamento dos soldados de Israel as mulheres mais bonitas do lugar. O objetivo era corromper o coração deles, não só moral, mas também espiritualmente, fazendo-os oferecerem sacrifícios aos seus deuses. Com isto o Senhor Se afastaria deles, que se tornariam presas fáceis para o exército de Balaque: “...começou o povo a prostituir-se com as filhas dos moabitas. Estas convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses; e o povo comeu e inclinou-se aos deuses delas. Juntando-se Israel a Baal-Peor, a ira do Senhor se acendeu contra Israel.” Números 25.1-3

“Eis que estas, por conselho de Balaão, fizeram prevaricar os filhos de Israel contra o Senhor, no caso de Peor, pelo que houve a praga entre a consagração do Senhor.” Números 31.16 Verificamos, assim, que a força da mulher está no poder de persuasão da sua palavra, a qual tem mais força do que qualquer homem. Os seus lisonjeios são quase irresistíveis. Uma prova disso é o fato de, quase sempre, a mulher conseguir levar o seu marido e toda a sua família á igreja, enquanto dificilmente o marido consegue o mesmo. Também temos notado que as viúvas sempre conseguem educar os filhos e administrar bem suas casas, mesmo sem que tenha tido experiência anterior nesse sentido.

Já os viúvos dificilmente conseguem o mesmo; sem a ajuda de uma companheira, encontram dificuldade para dirigir seus lares, muitos dos quais acabam desabando.

Mulher, na figura da igreja: “ Como, porém, a igreja está sujeita a cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas ao seu marido. Maridos, amai vossas mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem se água e pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula,nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito.” Efésios 5.24-27

Deus criou adão e Eva perfeitos, a fim de que sua descendência também fosse perfeita e viesse a povoar a terra, edificando o Seu Reino. Por isto, recebam a benção do casamento e a autoridade para dominar e sujeitar a Terra.

Adão tipificava o Senhor Jesus e Eva a Igreja. Este casamento é que faz gerar verdadeiros filhos de Deus: filhos que têm a imagem do Pai. Quando a Bíblia ensina que, “A mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos, a derriba.” ( Provérbios 14.1), é porque sobre seus ombros pesa mais a responsabilidade de estabelecer o seu lar. Para onde pender a mulher, penderá toda a família.

Já a maior responsabilidade do homem está na sua fidelidade para com a sua mulher: ele tem obrigação de amá-la da mesma forma pela qual o Senhor Jesus amou a sua Igreja.

Capítulo 2


Quando a mulher não é de Deus





De certa forma, quem quiser conhecer bem as mulheres pode recorrer à experiência do rei Salomão, pois além de ter tido muitas mulheres, era um homem muito inteligente e, certamente, dotado de capacidade para conhecê-las a fundo. E mesmo que a sua inteligência não fosse suficiente para compreendê-las, certamente a sua experiência jamais poderia falhar. Creio que vários tipos de mulheres passaram em sua vida: mulheres com o temperamento dócil e com temperamento agressivo; sábias e estúpidas; discretas e indiscretas; caladas e tagarelas; pacíficas e contenciosas; humildes e muita orgulhosas.

Foram tanto os tipos diferentes de mulheres, que ele fez questão de deixar registrados muitos provérbios a respeito delas, dentre os quais selecionamos o seguinte:

“A mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos, a derriba”. Provérbios 14.1 “Melhor é morar no canto do eirado do que junto com a mulher rixosa na mesma casa”.Provérbios 21.9 “Melhor é morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e iracunda”. Provérbios 21.19 “Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede ao de finas jóias”. Provérbios 31.10 O maior problema da mulher que não tem temor a Deus não é o gênio ruim ou o mau temperamento, mas quando ele se torna instrumento de Satanás. Trata-se daquela que trama projetos diabólicos e não descansa enquanto não os executa.

Tem consciência do perigo de morte que representa para quem dela se aproxima e anda procurando aqueles que desprezam o temor do Senhor, a fim de compactuar com eles. O Espírito Santo por intermédio do rei Salomão, assim a descreve:

“vi entre os simples, descobrir entre os jovens um que era carente de juízo, que ia e vinha pela rua junto a esquina da mulher estranha e seguia o caminho da sua casa, á tarde do dia, no crepúsculo, na escuridão, da noite nas trevas. Eis que a mulher lhe sai ao encontro, com vestes de prostituta e astuta de coração. È apaixonada e inquieta, cujos pés não param em casa; ora está nas ruas, ora, nas praças, espreitando todos os cantos. Aproximando-se dele, e o beijou, e de cara imprudente lhe diz: Sacrifícios pacíficos tinha eu de oferecer; paguei hoje os meus votos. Por isso, saí ao teu encontro, a buscar-te e te achei. Já cobri de colchas a minha cama, de linho fino do Egito, de várias cores; já perfumei o meu leito com mirra, aloés e cinamomo. Vem, embriaguemo-nos com as delícias do amor, até pela manhã; gozemos amores. Porque o meu marido não está em casa, saiu de viagem para longe. Levou consigo um saquitel de dinheiro; só por volta da lua cheia ele tornará para casa.Seduziu-o com as suas muitas palavras, com as lisonjas dos seus lábios o arrastou. E ele num instante a segue, como que vai ao matadouro; como cervo que corre para a rede, até que a flecha lhe atravesse o coração; como a ave que se apressa para o laço, sem saber que isso lhe custará a vida. Agora, pois, o filho, dá-me ouvidos e sê atento ás palavras da minha boca; não se desvie o teu coração para os caminhos dela, e não Andes perdido nas suas veredas; porque a muito feriu e derribou; e são muitos os que por ela foram mortos. A sua casa é caminho para a sepultura e desce para as câmaras da morte” Provérbios 7.7-27O próprio rei Salomão. Com toda a sua sabedoria, não conseguiu evitar o laço da mulher diabólica, e confessou ter achado coisa pior que a morte, quando disse:

“Achei coisa mais marga do que a morte: a mulher cujo coração são redes e laços e cujas mãos são grilhões; quem for bom diante de Deus fugirá dela, mas o pecador virá a ser o prisioneiro.”Eclesiastes 7. 26 A história de Semíramis

A história de Semíramis revela até que ponto uma mulher é capaz de servir como instrumento do diabo e emprestar seu ventre par conceber a destruição e a morte eterna.

Ela foi mãe de Ninrode e, mais tarde, sua amante. Ninrode, por sua vez, foi o mais eminente líder no período que vai do dilúvio a Abraão. Era filho de Cuxe e neto de Noé.

Sua fama de poderoso caçador adveio-lhe por ser protetor do povo, num tempo em que os animais selvagens eram uma ameaça constante de morte. Construiu três cidades. Ereque, Acade e Calné, consolidando-as em um reino sob seu governo.

Satanás desenvolveu um sistema religioso oculto que controlaria todo o mundo. Um sistema no qual as pessoas poderiam matar ou morrer por ele. Para introduzir esse sistema no mundo, usou o coração de uma única pessoa: Semíramis.

Babilônia foi a primeira cidade construída após o dilúvio, por Ninrode, e sua mãe-amante veio a ser sua rainha. Era o escritório central do projeto satânico. Ninrode, além de caçador, era bruxo, e sob sua direção se desenvolveu a Astrologia.

Ele assentou as bases para as magias negra e branca, haja vista ser possuído por uma legião de demônios. Por causa de suas praticas ignominiosas, o irmão de seu avô, Sem, veio a matá-lo tentando acabar com as sua bruxarias.

Sua mãe-amante, que reinava na Babilônia, auto proclamou-se deusa e instruiu a si mesma como símbolo da Lua. Além disso, exigia o sacrifícios de crianças em sua adoração.

Determinou ainda que o seu filho-amante, após a morte fosse cultuado qual um deus. Passou a chamá-lo de Baal, o deus –Sol. Tendo engravidado, embora de dissesse virgem, deu a luz um filho que chamou Tamuz, e passou a proclamar por todo o seu reino que o seu filho-amante havia reencarnado em Tamuz.

Na realidade o espírito de Baal foi concebido naquela criança. A partir de então, Semíramis passou a ser considerada a virgem-mãe, sendo retratada nas imagens carregando o pequeno deus-Sol em seus braços. Ela apregoava que o menino Tamuz, deus-Sol, era o seu salvador.

Ora, toda esta trama foi dirigida por Satanás, o qual, Sabendo de alguma forma que um dia o Espírito de Deus envolveria um virgem autêntica, e que ela conceberia o verdadeiro Salvador da humanidade, providenciou previamente uma cópia de fatos para fundamentar uma religião e enganar bilhões de pessoas, levando-as para o inferno.

As histórias de Ninrode, Semíramis e Tamuz passaram a circular por todo o mundo. Suas fabulas se fizeram populares na Mitologia. Foram criados muitos deuses e deusas originários daqueles personagens. Semíramis passou a ser conhecida como a rainha do céu. Para enganar os que desconhecem a Bíblia Sagrada, o diabo utilizando seus poderes para reproduzir imagens de Semíramis, com formas e nomes diferentes. Semíramis com o menino Tumuz nos braços tem a mesma aparência com a qual o catolicismo romano apresenta a sua “virgem,” ou seja,algo que faz os católicos pensam na virgem Maria com o menino Jesus nos braços.

A Lua ou o Sol muitas vezes aparecem substituindo o menino Tamuz, nas imagens de Semíramis, a deusa-rainha da Babilônia, e Ninrode, o deus-Sol ou Baal.

Muitos outros símbolos os representaram, e assim o diabo consegue ainda hoje ter êxito com o teu projeto, tendo em vista a falta de conhecimento que bilhões de pessoas têm o Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.

Capítulo 3


Quando a mulher é de Deus

Quando a mulher é de Deus, sua aparência, quer seja gorda ou magra, alta ou baixa, branca ou negra, feia ou bonita, enfim, todo o seu exterior fica em um plano inferior, pois no seu interior existe a imagem de Deus, formada pela plenitude do Espírito Santo. A partir daí ela é transformada em uma mulher virtuosa, a mulher que todos os homens de Deus estão buscando para com ela formarem um só corpo. A Bíblia apresenta muitas mulheres de valor, tais quais Rebeca; Rute; Noemi; Ester; Maria e muitas outras, que manifestaram em si mesmas o verdadeiro caráter de mulheres de Deus. Vamos nos ater a apenas três, que, particularmente, acreditamos terem manifestado um caráter singular, merecendo serem analisadas; Noemi, Rute e Maria.

Maria foi a mulher mais bem-aventurada dentre as outras; a mais favorecida e a mais cheia de graça.O seu segredo era simples: era uma mulher cheia de Espírito Santo, uma verdadeira mulher de Deus.

Noemi : Havia fome em Israel e um homem chamado Elimeleque, saindo de Belém, mudou-se para a terra dos moabitas, juntamente com sua mulher, Noemi, e seus dois filhos. Depois de algum tempo, casaram com mulheres moabitas. Uma se chamava Orfa e a outra Rute. Passados quase dez anos naquela terra estrangeira, os filhos de Noemi também vieram a falecer, ficando ela e as duas noras sozinhas. Noemi aconselhou que Orfa e Rute voltassem a casa de seus pais, porque ela retornaria a sua terra. Embora Orfa tivesse resistido no inicio, acabou aceitando o conselho da sogra. Rute, entretanto, apegou-se a sua sogra e não se apartou dela. Noemi lhe disse: “... Eis que tua cunhada voltou ao seu povo e aos seus deuses; também tu, volta após a tua cunhada.” (Rute 1.15) Porém quanto mais Noemi insistia para que partisse, mais Rute se apagava a ela, a ponto de lhe dizer:

“... Não me insistes para que te deixe e me obrigue a não seguir-te; porque, aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei sepultada; faça-me o Senhor o que bem lhe aprouver, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.” Rute 1,16,17 Certamente Noemi tinha algo muito especial, para que sua nora se apegasse a ela com tamanha determinação. A verdade é que Rute deve ter visto em Noemi o exemplo de uma mulher de Deus. Não havia motivo algum, pelo menos aparente, para Rute se apegar á sua sogra da forma como fez, pois Noemi não possuía outros filhos, nem dinheiro; não tinha bens, nem um futuro promissor, havia vista que já era até de idade avançada. Enfim, Noemi nada podia oferecer á sua nora. Sua única riqueza, a qual Rute desejava herdar, com a mais absoluta certeza estava dentro do seu coração!

A maioria das sogras e noras não se combinam. Normalmente a sogra não aceita ser “trocada” pela nora, ou a nora não permite que a sogra se envolva na sua casa. É como briga de foice no escuro, conforme se diz o popularmente.

Noemi, no entanto, era uma sogra diferente. Ela era de Deus! Rute, que era moabita, portanto uma mulher idolatra e endemoninhada, passou a ser tão pura e tão senta quanto a sua sogra. Por quê?

Porque Noemi espelhava a imagem de Deus para ela! Isto a cativou tanta que ela deixou o seu povo, a casa de seus pais, os seus deuses e todas as coisas para trás, com a finalidade de viver o resto dos seus dias junto da sua sogra.

Eis o caminho para se conquistar o coração do marido; das mulheres; dos filhos; dos pais; das sogras; enfim, todos os familiares e parentes incrédulos para o Senhor Jesus. Noemi conquistou sua nora para Deus por exemplo de vida santa e fervorosa.

Rute: Se Noemi foi um exemplo de fé, Rute o foi de fidelidade. Suas palavras para Noemi retratam o caráter da mulher virtuosa. Sua origem pagã não conseguiu cegar seu coração de um entendimento sensato. E foi esta a sensatez que a fez descobrir a diferença entre servir ao Deus Vivo e servir aos deuses de madeira, pedra e mental. Neste mundo vil, há muitas pessoas inteligentes, e de boa formação cultural, que apesar disto, não tem sido despertadas. Pelo contrário, parece que sua cultura contribui para que se tornem ainda mais cegas e insensatas, a ponto de não conseguirem descobrir a diferença entre o real e o irreal, o que é vivo e o que é morto.

Certa ocasião, quando o Senhor Jesus visitou a casa de Lazaro, aconteceu que enquanto sua irmã Marta se preocupava com os serviços da casa, Maria, a outra irmã, estava assentada aos Seus pés, a ouvir-lhe os ensinamentos. Vejamos o registro bíblico:

“Marta agitava-se de um lado para o outro, ocupada em muitos serviços. Não te importas de que minha irmã tenha deixado que eu fique a servir sozinha? Ordena-lhe, pois, que venha ajudar-me.

Respondeu-lhe o Senhor: Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada.” Lucas 10.40-42





Foi justamente a escolha de Rute! Ela decidiu pela boa parte porque foi salva; teve entendimento para discernir o melhor. Mais tarde, veio a colher os frutos da sua fidelidade, pois se casou com um parente de sua sogra e veio ser avó de Jessé e bisavó do rei Davi.

A história de Noemi e suas duas noras deixa claro uma coisa: Deus dá oportunidade a todos para fazerem a sua própria escolha.

A virgem Maria: A bíblia não dá muitas informações a respeito da virgem Maria. Apenas se sabe que era alguém muito especial, isto, é, uma virgem não apenas no sentido físico, mas também no sentido espiritual.. Aliás, quando há virgindade espiritual , a virgindade física é uma conseqüência. O Espírito Santo não aconselharia uma jovem apenas por ela nunca ter tido contato com homem; além disso, ela deveria ter o caráter de mulher de Deus. O rei Salomão escreveu: “Mulher virtuosa, quem achará? O seu valor muito excede ao de finas jóias.”(Provérbios 31.10) É bem verdade que essa mulher virtuosa é difícil de se achar, especialmente para o homem carnal, mas não para o criador. Ele conhece perfeitamente cada ser humano, antes mesmo de ter sido gerado no ventre materno.

Maria foi a moça bem-aventurada, digna de ser escolhida para servir de instrumento ao Espírito de Deus, a fim de conceber o Salvador. O anjo Gabriel a saldou, dizendo:

“... Alegra-te, muito favorecida! O Senhor é contigo. Ela, porém, ao ouvir esta palavra, perturbou-se muito e pôs-se a pensar no que significava esta saudação. Mas o anjo lhe disse: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás a luz um filho, quem chamarás pelo nome de Jesus.” Lucas 1.28-31

Todas as vezes que Deus quer realizar algo grande e notável, escolhe pessoas certas para este propósito. Quando criou Adão e Eva, Seu objetivo era ter filhos através deles. Deus queria que eles se multiplicassem na Terra, sujeitasse-a e a dominasse (Genêsis 1.22).

Por isso Ele os abençoou. Mas tudo foi destruído pela desobediência do casal. Então o Espírito Santo escolheu virgem Maria, para que por intermédio dele nascesse o Redentor da humanidade, que a restituiria a imagem de Deus. A partir do Seu sacrifício realizado no Calvário, e da Sua ressurreição, nasceu a Igreja, que, uma vez purifica e santifica, viria a servir como Seu instrumento para conceber verdadeiros filhos de Deus.

O Senhor Jesus é o novo Adão e a Igreja é a nova Eva. Desta união nascem os verdadeiros filhos de Deus. Foi justamente esta a glória do Senhor Jesus que o apóstolo João viu no Céu, quando escreveu:

“e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhes o selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nasceu e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra.” Apocalipse 5.9-10 A afirmação “e reinarão sobre a terra” significa exatamente aquela ordem de Deus a Adão e Eva, no Jardim da Edén: “...enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céus e sobre todo animal que rasteja pela terr.” (Genêsis 1.28).

Maria estava desposada com José, o que naquela época era uma espécie de noivado, quando o anjo lhe apareceu. Foi por isso que ao se encontrar grávida do Espírito Santo, José, “...sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente.” (Mateus 1.19). Depois que o anjo se revelou a ele em sonho, e lhe contou tudo o que estava acontecendo, José a recebeu como esposa.

Certamente após o nascimento do menino Jesus o casal passou a se relacionar normalmente, tendo outros filhos: “Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, Judas e Simão? E não vive aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele.” (Marcos 6.3).

Maria deixou de ser virgem após o nascimento do menino Jesus. A Bíblia relata de um de seus encontros com o Senhor e narra ainda um fato semelhante ocorrido quando Ele pregava em Nazaré:

“Falava ainda Jesus ao povo, e eis que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar-lhe. E alguém lhe disse: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te.” Mateus 12.46-47

“E, chegando a sua terra, ensinava-os na sinagoga, de tal sorte que se maravilhavam e diziam:Donde lhe vêm esta sabedoria e estes poderes miraculosos? Não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas? Não vivem entre nós todas as suas irmãs? Donde lhe vem, pois, tudo isto?” Mateus 13.54-56 A bem-aventurança de Maria, portanto, completa-se no seu casamento e na composição da sua família.
Capitulo 4


As veste s da mulher virtuosa Não há absolutamente nada de errado quando a mulher se maquia, arruma o cabelo com adereços, corta pinta, enfim, faz tudo o que acredita ser o melhor para ter uma aparência bonita. Aliás, é dever de toda mulher, especialmente se ela é de Deus, procurar ter a melhor aparência possível, para se apresentar na igreja ou em qualquer outro lugar. Isto, entanto, não deve exceder os limites para que não se vista e se maquie de tal forma que atraia a atenção de todos. Todo zelo que tiver com o seu exterior deve ser observado com máxima discrição e simplicidade. As vestimentas sensuais e eróticas são condenáveis a Palavra de Deus, uma vez que excedem o bom sensor, além de fazerem transparecer o caráter totalmente inverso ao de Deus.

As mulheres que deixam extravasar sua sensualidade, quer atravéz do seu comportamento, quer por suas vestimentas, agem dessa forma porque têm um espírito demoníaco, chamado pomba-gira. Por acaso não procedem assim às prostitutas, quando querem atrair clientes? Quando a mulher é virtuosa ela é também sábia. Na sua sabedoria, preocupa-se com a sua aparência interior, porque essa naturalmente irá se refletir no seu exterior. Ela cuida, acima de tudo, do seu coração e guarda a sua língua de “jogar conversa fora”, manifestando assim discrição. Quando fala nunca deixa transparecer o desejo de sua voz venha encobrir a dos demais. Quando o coração dela está cheio de presença de Deus, então ele se alegra, e a sua alegria faz embelezar o rosto: “O coração aformoseia o rosto, mas com a tristeza do coração o espírito se abate.” (Provérbios 15.13).

O temor a Deus

O temor a Deus constitui a base do caráter genuinamente cristão. As Sagradas Escrituras afirmam: “Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.” (Provérbios 31.30). Todas as demais virtudes, não apenas de mulher mês também do homem de Deus, estão assentadas sobre essa pedra: o temor a Deus, que tem sido confundido por muitas pessoas com a fé. È possível ter fé sem temor a Deus, e isto tem acontecido com muita freqüência nestes últimos tempos. Não são poucos os que têm manifestado uma grande fé em Deus e, no entanto, o testemunho de suas vidas é totalmente diferente daquilo em que têm acreditado.

Para este tipo de gente, a pregação da Palavra de Deus é fácil. Falar da salvação e do amor do Senhor Jesus também é muito simples, afinal de contas, quantos artistas têm interpretado o amor de Deus e vivido em um verdadeiro inferno? Assim também são muitos “pregadores profissionais”, os quais apresentam uma grande fé diante do público, mas, na vida pessoal, não há um mínimo de temor para com Deus, pois praticam justamente o oposto do que pregam. O Senhor Jesus disse que não são os ouvintes da Palavra que são salvos, mas os praticantes dela. Somente praticam a Palavra de Deus aqueles que verdadeiramente têm temor no coração para com Ele. A mulher que teme a Deus é sábia e, portanto, edifica a sua casa.

A submissão

No reino deste mundo, a palavra submissão significa servidão. Os mais fracos são obrigados a se submeterem aos mais fortes. No Reino de Deus, no entanto, submissão significa grande prazer em servir, pelo amor. Enquanto neste mundo as pessoas mais fracas são subjugadas ás mais fortes, pelo poder do dinheiro, de posição ou até mesmo pela força física, no mundo de Deus seus servos fazem questão de Lhe servir de todo o coração e com todas as suas forças, movidos pelo Espírito do amor.Aí está o grande valor de mulher de Deus: ela se submete ao seu marido movida pelo espírito do amor que há dentro dela, pois este amor não é seu, mas vem de Deus, para ser transferido aos demais especialmente ao seu marido, que é parte de seu corpo.

Quando a mulher é de Deus e seu marido não é cristão, mesmo assim ela deve se submeter a ele, por amor, e não porque seja obrigada ou por está escrito na Bíblia. Deve ser algo natural, que jorra do seu interior, como se fosse uma fonte de águas cristalinas. Seu marido pode ser uma grande pedra tentando impedir que a água venha a fluir; pode até ser uma pessoa possessa de espírito imundo, mas tudo isso não deve impedir que essa fonte venha a jorrar. Sua força fará fluir água por todos os lados, e acabará sobrepujando o peso daquela pedra.

Se a mulher é de Deus e olhar pare o seu marido como se estivesse olhando para o Senhor Jesus, então ele acabará se transformando no marido cristão que ela tanto deseja.

A principal razão de muitas mulheres cristãs não terem ainda conseguido converter seus maridos é que elas ainda não souberam passar para eles a imagem de Deus que há nelas.

Muitas vezes, ao invés de olharem para eles com o mesmo olhar de misericórdia e compaixão cristãs, só criticam o seu comportamento, além de fazerem cobranças a todo o instante. Este procedimento os afasta cada vez mais da fé.

A mulher temente a Deus e submissa ao marido sabe aturar seus erros, porque tem consciente de que ele ainda não teve um encontro com o Senhor. Vai lutando através de orações e jejuns, e, sobretudo, manifesta um comportamento exemplar de mulher de Deus, especialmente dentro de sua casa.













A virgindade

A virgindade simboliza a pureza e santidade. É bem verdade que, no mundo atual, virgindade, pureza e santidade estão fora de moda, ultrapassadas. Aqueles que não têm conhecimento da majestade do Altíssimo estranham até quando tocamos neste assunto. Esta é, entretanto, a preocupação constante do coração dos que são de Deus.

A virgindade da mulher de Deus, tal qual a do homem de Deus, não reside apenas no fato de nunca terem tido uma experiência sexual, mas no seu comportamento exemplar e na pureza de seus pensamentos e palavras. Esta é a recomendação que o9 Espírito Santo nos faz, através do apóstolo Paulo:

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo oi que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.”

Filipenses 4.8

Os pais, portanto, devem instruir seus filhos, tanto meninas quanto meninos, a se absterem de relações sexuais antes do casamento, para que seus corpos possam servir como Templos do Espírito Santo.





A palavra

Poucos conhecem o poder da palavra, menos ainda daquela que sai da boca de uma mulher. É verdade que a palavra de uma mulher tem muita força quando é dirigida a um homem. Neste caso, a coisa se trona muito mais séria.

A Bíblia diz que a língua é como uma fagulha que põe em brasas em uma grande selva (Tiago 3.5). A palavra de uma mulher tem tanta influência que o diabo usou para fazer o homem cair.

A mulher não precisa participar de movimentos os feministas para tentar impor os seus direitos, pois estes ela já os tem quando usa a sua língua. Por isso também é que o Espírito santo orienta as mulheres a que sejam submissas aos seus maridos.

Esta submissão em amor encontra guarida no coração da mulher que, por causa disso mesmo, compreende essa relação. Diz-se, com muita propriedade, que no lar o marido é o cabeça e a mulher o coração.

Os filhos de Israel são até hoje proibidos de se casarem com pessoas que não tem a mesma fé judaica. A razão é muito simples: não quer que o Seu povo santo venha a se contaminar com outro povo, que não tenha nada a ver com Ele.

Além disso, o diabo usa freqüentemente o poder de influencia das mulheres para desvirtuar a fé do homem. Por isto, sob a lei de Moisés, o casamento misto era definitivamente proibido.

A mulher que deseja servir a Deus como instrumento da Sua vontade precisa estar consciente de que a sua palavra tem que ser moderada, pensada e ponderada. Ela deve ser breve no ouvir e tardia no falar.

O apóstolo Tiago, dirigido pelo Espírito de Deus, disse: ”Porque todos tropeçamos em muita coisa. Se alguém não tropeça no falar, é perfeito varão, capaz de refrear também todo o corpo.” (Tiago 3.2).

É claro que todas as pessoas devem ter o máximo cuidado no falar, inclusive os homens. Estamos, porém focalizando a mulher que pretende ser de Deus.

A mulher de Deus tem discrição e sabedoria na sua linguagem, pois é sábia, e para isto ela é de Deus.

Capitulo 5


A constituição de família

Depois da conversão ao Senhor Jesus Cristo, o passo mais importante na vida do ser humano é a constituição da família. Muitos jovens, entretanto, no afã de alcançarem o sucesso econômico, têm deixado o casamento em segundo plano. Muitos pais têm até grande parte de culpa quando o casamento de seus filhos fracassa, pois eles procuram estimulá-los muito mais quanto aos estudos e conquistas econômicas do que propriamente para a constituição de suas famílias. Acreditam que se os seus filhos vão bem financeiramente, o casamento será uma conseqüência. Mas é aí que se enganam, porque a felicidade de uma pessoa está diretamente relacionada com o seu casamento. Normalmente as pessoas pensam que o matrimônio é apenas uma sociedade entre duas pessoas de sexo opostos, e que, casa não dê certo, a sociedade pode ser desfeita perante a justiça comum, indo cada um cuidar da sua própria vida. Mas não é tão simples assim. A dissolução do casamento até pode acontecer com certa naturalidade e sem grandes prejuízos quando o casal não tem filhos. Cada um pode, após a separação, reconstruir sua vida novamente. Mas quando há filhos a coisa se complica e certamente trará prejuízos ao casal pelo resto da vida. Basicamente o que é um casamento? Do ponto de vista mundano, é um contrato social entre duas pessoas. Nesse caso, vale tudo, haja vista que tudo que tem a orientação do diabo não tem moralidade, disciplina ou qualquer coisa que preste. Liberdade em Deus normalmente se mescla com libertinagem, e aí vale tudo. Do ponto de visto bíblico e cristão, o casamento é a união de duas pessoas, de sexos opostos, que se acreditam mutuamente. Elas crêem que, unidas sob as bênçãos de Deus, podem construir um lar solidificado no verdadeiro amor. Há dependências entre os conjugues. É como se um fosse a perna esquerda e outro fosse a perna direita. De fato o casamento cristão é a junção de duas metades que fazem um todo, ou um corpo completo. O homem é uma metade e a mulher a outra; os dois se completam, tornando-se um só corpo. O elemento que torna este corpo único é o amor, que o Espírito Santo derrama em seus corações, pois está escrito: “... porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo espírito Santo, que nos foi outorgado.” (Romanos 5.5).

Cremos que é justamente isto que o Senhor Jesus queria dizer quando Lhe perguntaram a respeito do divórcio: “Então, respondeu ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher e que disse: Por está causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém ume só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.”Mateus 19.4-6 Não se pode confundir o casamento entre os filhos da luz e entre os filhos das trevas, pois são radicalmente opostos entre si. O casamento dos filhos da luz está sujeito ás regras estabelecidas na Palavra de Deus; já o casamento dos filhos das trevas não está sujeito a nenhuma lei divina.

A consciência

A mulher cheia do Espírito santo sabe avaliar as conseqüências de um mau casamento, porque o Espírito de Deus confirma com o seu espírito os conselhos da Palavra: “Não vos ponhas em julgo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de deus e os ídolos? Porque nos somos santuário do Deus vivente, como ele próprio desse: Habitarei e andarei entra eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” 2 Coríntios 6.14-16

Ela nunca correrá o risco de um mau casamento, tendo em vista que ambos, marido e mulher, são de Deus. Esta consciência pura e cristalina tem faltado hoje na igreja do Senhor Jesus. Jovens aparentemente cristãos estão desprezando os conselhos de Deus e se apegando ao deslumbres dos olhos carnais, unindo-se com os filhos das trevas e procurando se justificar, alegando que conseguirão levar o marido ou a esposa para a igreja, que se amam muito, etc. Não faltam razões, justificativas e o tudo mais para se deixar levar pelo coração enganador. Quanta ilusão! O Espírito de Deus revela aos Seus filhos; “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jeremias 17.9).Não se pode dar razão aos instintos do coração. Quantos casamentos têm sido fracassados? Quantos suicídios? Quantas brigas, contendas e tantas outras coisas têm acontecido em nossa sociedade? E tudo por causa do coração corrupto e enganador!A família é a célula-mãe da sociedade. Todos os grandes problemas que aflige a humanidade têm origem nesta célula. Quando ela vai mal, todos os seus membros também vão, e por onde forem levarão consigo a contaminação de um lar fracassado.O mesmo espírito que conduziu a destruição em uma determinada família fará o mesmo nas futuras famílias originadas daquela. A Bíblia o chama de espírito familiar. É um espírito imundo que não tem outra função senão destruir lares. Este tipo de espírito só não destrói as famílias que são constituídas por membros do corpo do Senhor Jesus, isto é, aquelas pessoas que têm as suas vidas alicerçadas na Palavra de Deus. Quando a jovem nutre dentro do seu coração





o temor para com o Senhor e Salvador, apega-se aos conselhos de Deus e jamais permite que o seu coração venha a iludi-la. Pelo contrário, ela tem o poder do Espírito de deus para controlar os impulsos enganosos da alma, porque deseja servir ao Senhor de todo o seu coração, procurando se envolver com as pessoas que têm o mesmo objetivo.

O marido dos sonhos

Quando a mulher é de Deus, ela se casa com um homem também de Deus. Isto porque ela sonha em servir como instrumento do Espírito Santo, para dar à luz filhos de Deus. Isto significa que se está vocacionada para servir ao Senhor no altar, precisa buscar em Deus um companheiro que também queira servi-Lo no altar. Se tem a chamada para servir a Deus, jamais deve se comprometer com alguém que não temo mesmo propósito. Do contrario seu talento será sepultado. Sendo de Deus, por isso mesmo é prudente espera que o Senhor venha a fazer com ela como fez com Rebeca, que não estava nem um pouco preocupada com o seu coração, e nem mesmo ansiosa com isto. Sua preocupação era preservar seu virgindade e pureza para alguém que Deus iria lhe mostrar. De fato o Senhor a encaminhou até Isaque. A Palavra de Deus diz: “A casa e os bens vêm como herança dos pais; mas do Senhor, a esposa prudente.” (Provérbios 18.22).A verdade é que Deus tem preparado para cada mulher prudente um servo fiel, e para cada servo fiel uma esposa prudente. Ele só espera que cada um deixe de lado a ansiedade de se casar e permaneça em Sua santa presença, pois ninguém tem mais interesse em nos fazer felizes do que Ele mesmo: Também está escrito: “O que acha uma esposa acha o bem e alcançou e benevolência do Senhor.” (Provérbios 18.22). Muitos jovens cristãos cometem um grave erro ao se casarem com pessoas que pertencem a outra denominação. Embora a fé cristã seja uma só, o “vinho” que é servido em uma determinada igreja costuma ser diferente do servido em outra. Esta diferença de “vinhos” tem criado problemas entre muitos jovens casados, causando até separações. Imaginemos, por exemplo, a pessoa que tem o costume de dar ouvidos às profecias se casar com outra que nelas não acredita. Ou então alguém que tem “caído pelo poder de Deus” se casar com alguém da Igreja Universal, qua não aceita doutrina deste tipo.Se o casal leva a vida cristã a sério, veja que complicação! O ideal é que a jovem se case com um rapaz da mesma igreja.

A educação dos filhos

A palavra de Deus afirma: “ensina a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho, não se desviará dele.” (Provérbios 22.6). Os filhos são a imagem dos pais; se estes procedem mal. Os filhos também precederão mal, mas se virem temor a Deus por parte dos pais, também terão o mesmo temor e, certamente, serão instrumentos em suas mãos. Uma criança jamais nasce um bandido, assassino, ladrão ou coisa semelhante. As circunstâncias que a cercam a impele para o mal ou o bem, ou seja, são a sua escola. Considerando a Palavra de Deus, no ensino de que a mulher sábia edifica a sua casa, cabe a mulher a responsabilidade da estrutura básica do seu lar. E a educação dos filhos faz parte desta estrutura. É a mulher que cuida da casa, providência o alimento para as crianças, lava a roupa, enfim, cuida de tudo o que se relaciona aos membros da sua família. Assim, seus filhos ficam a observá-la atentamente. Além disso, há da parte de mulher uma transferência de caráter para os filhos muito maior do que por parte do pai, que quase sempre está trabalhando fora de casa. Assim sendo, ela tem a maior carga de responsabilidade na edificação da sua casa. Ora, quando a mulher é de Deus é quase impossível que os seus filhos não sejam também de Deus, pois todo o seu ser é usado pelo Espírito Santo. Ela é como uma fonte de vida, e aqueles que conviverem com ela obrigatoriamente beberão das suas virtudes.

A mulher de Deus sabe cuidar e educar os seus filhos com o princípio básico da própria sabedoria, ou seja, o temor ao Senhor. Todos os seus ensinamentos sempre visão a incutir no inocente coração deles o temor a Deus. Veja o que o Espírito de Deus diz, por intermédio do rei Salomão:“Para entender a sabedoria e o ensino; para entender as palavras de inteligência; para obter o ensino do bom proceder, a justiça, o juízo e a eqüidade; para dar aos simples prudência e aos jovens, conhecimento e bom siso. Ouça o sábio e cresça em prud~encia; e o instruído adquira habilidade para entender provérbios e parábolas, as palavras e enigmas dos sábios. O temor do Senhor é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino.”Provérbios 1.2-7

A mãe chamada “moderna”, que não tem nenhum compromisso com o Senhor Jesus, está preocupada em colocar seus filhos em ótimos colégios, para que eles tenham a melhor cultura deste mundo, assegurando-lhes assim um futuro promissor. A mãe que é verdadeiro instrumento do Espírito de Deus procura fazer os seus filhos buscarem em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça. Ela cuida para que eles não venham a ser influenciados por programas de televisão ou jogos infernais, mas que sejam tementes a Deus e nunca percam as reuniões dominicais na igreja. Enfim, ela cuida para que haja ema formação genuinamente cristã no caráter de seus filhos. O Espírito de Deus chama este tipo de mulher de virtuosa, e assim comenta a seu respeito: “ A força e a dignidade são os seus vestidos, e, quanto ao dia de amanhã, não tem preocupações. Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua. Atende ao bom andamento da sua casa e não come o pão de preguiça. Levanta-se seus filhos e lhe chamam ditosa; seu marido a louva, dizendo: Muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas. Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.”Provérbios 31.25-30


Capítulo 6


Quando o casal é de Deus

Quando uma mulher de Deus é casada com um homem de Deus, temos o alicerce fundamental da Igreja do Senhor Jesus Cristo. É daí que vão nascer gerações de filhos de Deus.

O Senhor queria fazer de Abraão uma grande nação; então não permitiu que Sara, sua mulher, tivesse filhos, até que os dois formassem um casal de Deus. Ele permitiu que Sara fosse estéril para que ela viesse, juntamente com Abraão, a ter um caráter divino, antes que pudessem gerar Isaque.

Este, por sua vez, tinha que herdar o caráter divino de seus pais, afim de que o plano de Deus pudesse ser levado adiante. Assim também tem de acontecer com a mulher de Deus! Para que ela venha a dar á luz filhos de Deus, precisa estar casada com um homem de Deus.

Através deste casamento sagrado nascem os filhos de Deus. E é aí que começa a Igreja! O casal de Deus tem a vida inteira no altar, e, como conseqüência

Disto, seus filhos nascerão neste altar. O leito deste casal tem de ser imaculado, para que os filhos, tanto biológicos quanto espirituais, sejam de Deus.

A igreja do casal de Deus começa dentro de sua própria casa. Os filhos têm a obrigação de serem convertidos, tanto quanto aqueles que compõem a sua igreja.

Isto deve acontecer tão natural que se misturem com os espirituais, e todos componham a Igreja do Senhor Jesus, da qual é o casal é o elemento gerador. Este casal representa o Senhor Jesus e a sua Igreja. Creio que este é o mistério ao qual o apóstolo Paulo se refere, quando diz:

“Eis por que deixará o homem a seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja.”

Efésios 5.31,32

O ministério no lar

Se o homem de Deus não nutrir um grande amor por sua esposa, o mesmo acontecerá em relação á igreja. É impossível amar uma e desprezar a outra, já que a sua igreja começa dentro da sua própria casa.

O seu primeiro púlpito está no seu lar. O seu ministério é cuidar da Igreja, sendo que a sua primeira ovelhinha é a sua esposa. Depois vêm os seus filho e em seguida aqueles que o senhor Jesus acrescentar ao seu rebanho.

O ministério da mulher de Deus é cuidar do marido, dos filhos e da casa. Podemos conferi-lo nas Sagradas Escrituras:

“Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de finas jóias. O coração do seu marido confia nela, e não haverá falta de ganho. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida. Busca lã e linho e de bom grado trabalha com as mãos. É como o navio mercante: de longe traz o seu pão.

É ainda noite, e já se levanta, e dá mantimento a sua casa e tarefa às suas servas. Examina uma propriedade e adquira-a; planta uma vinha com as rendas do seu trabalho. Cinge os lombos de força e fortalece os braços. Ela percebe que o seu ganho é bom; e sua lâmpada não se apaga de noite.

Estende a mão ao fuso, mão que pegam na roca. Abre a mão ao aflito; e ainda a estende ao necessitado. No tocante à sua casa, não teme a neve, pois todos andem vestidos de lê escarlate. Faz para se cobertas, veste-se de linho fino e de púrpura.

Seu marido é estimado entre os juízes, quando se assenta com os anciãos da terra. Ela faz roupas de linho fino, e vende-as, e dá cintas aos mercadores. A força e a dignidade são os seus vestidos, e, quanto ao dia de amanhã, não tem preocupações.

Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua. Atende ao bom andamento de sua casa e não come o pão da preguiça. Levantam-se seus filhos e lhe chamam ditosa; seu marido a louva, dizendo: muitas mulheres precedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.

Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada. Dai-lhe do fruto das suas mãos, e de público a louvarão as suas obras.”

Provérbios 31.10-31

As mulheres de Deus, no ministério terreno do Senhor Jesus Cristo, também participavam no seu trabalho evangelístico, ao lhe prestarem assistência com os seus bens.

Posto que o Senhor não tinha emprego, e todo o Seu trabalho consistia em ajudar as pessoas que chegavam até Ele, elas sempre O cercaram fazendo os mais elementares serviços.

Capitulo 7


Quando a mulher cristã é casada com um não-cristão

Esta tem sido a situação mais comum entre o povo de Deus: a mulher de Deus casada com um não-cristão. Muitas destas mulheres têm derramado lágrimas de dor e humilhação, por sofrerem tantas injustiças da parte daqueles a quem tanto amam.

A maioria delas, no entanto, desconhece a força que têm, ou então subestimaram o poder de Deus que há dentro delas. Por isso, a situação se torne cada vez pior.

Há mulheres que já oraram, jejuaram,fizeram vigílias e todo tipo se sacrifício na igreja, a fim de converterem seus maridos, e o resultado foi negativo. Por quê?

A verdade é que estas mulheres têm feito seus sacrifícios apenas dentro da igreja, ao invés de os realizarem muito mais fora dela, isto é, na sua própria casa. Não adianta sacrificar na igreja e não sacrificar em casa!

E o sacrifício em casa é um comportamento tal qual ela tem na igreja! De que adianta orar, jejuar e chorar diante de Deus, se em casa a mulher discute com o marido, reclama de tudo e exige uma série de coisas que ele não tem capacidade de atender?

Se ao invés de fortalecê-lo com palavras de fé, estimulo e amor, a mulher só procura manifestar cobranças e mais cobranças? Se procurar sempre irritá-lo com seus problemas?

Assim é praticamente impossível ao Espírito de Deus encontrar espaço ou condições para falar com o marido. Ora, mulher, se você enfrenta esse tipo de dificuldade, deve reconhecer que você mesma tem sido a maior barreira a impedir o seu marido de se converter.

Se reconhecer isto e for humilde diante de Deus, para Lhe pedir sabedoria na direção da sua casa, e especialmente no trato com o seu marido, tenho a mais absoluta convicção de que Deus irá lhe inspirar a agir para ganhá-lo para o senhor Jesus! É assim que o Espírito de Deus tem falado por intermédio do apóstolo Pedro:

“Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso própria marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, sem palavra alguma, por meio do procedimento de sua esposa, ao observar o vosso honesto comportamento cheio de temor.”

1 Pedro 3.1,2

No sexo

Não importa se a mulher é cheia do Espírito Santo e o seu marido perturbado. Desde que sejam casados diante de Deus, ela não é mais dona do seu corpo, e sim ele. Da mesma forma o marido também não é mais dono do seu próprio corpo, mas sim ela.

Desse modo, nenhum dos dois pode privar o outro de relação sexual, a não ser por mútuo consentimento, para orar, jejuar, consagrar sua vida ou algo em que estejam de comum acordo. Esta é a orientação que recebemos do Espírito Santo:

“O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhante, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher. Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.”

1 coríntios 7.3-5

O marido não tem direito de obrigar a mulher a praticar o sexo contrário a natureza, ou seja, o sexo anal. A própria natureza ensina que, no sexo, há um lugar para cada e cada coisa deve ser colocada no seu devido lugar.

Além do mais, a mulher não é um homossexual, para se submeter a tal infâmia diabólica! Esta prática é chamada de sodomia, porque provém de Sodoma.

E vejam o julgamento de Deus para com esta cidade (Gênesis 19)! Assim também acontece com os que da mesma forma a praticam:

“Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário a natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.”

Romanos 1.26,27

A mulher que estiver sendo forçada por seu marido a ter relação sexual anal deve, em hora calma de conversa, submeter tais versículos à consciência do seu parceiro. Logo o espírito de Deus háde fazer o resto.
Capítulo 8


Amor e paixão

A falta de discernimento faz grande diferença, do ponto de vista bíblico, entre o mais puro amor e paixão, tem feitos muitos jovens lançarem suas vidas nas mãos de pessoas erradas, e esta tem sido a causa da infelicidade conjugal e de tantos dissabores.

Sem falar dos inúmeros corações despedaçados por um amor falso, ou uma paixão desenfreada, que tem levadosmuitos ao cúmulo de trocarem a salvação eterna por um sentimento terreno.

Sabemos que o diabo tem feito muita gente cair na armadilha do coração enganador. Muitos têm se apaixonado e pensado que é amor, enquanto outros julgam que por não estarem apaixonados não estão amando. Mas o que é paixão? É a emoção levada a um alto grau de intensidade, sobrepujando a lucidez e a razão. Em outras palavras, a paixão é uma emoção tão forte, tão intensa, que cega a ponto de ultrapassar até a própria razão.

A paixão é um sentimento possessivo, que objetiva satisfazer somente a si mesmo, não se importando com mais nada. A pessoa apaixonada perde o censo do ridículo, não tem equilíbrio, não raciocina direito e acaba se entregando á loucura de um ato diabólico.

É obvio que somente uma pessoa possessa chega a tal ponto, pois é impossível que alguém dirigido pelo Espírito Santo caia nessa armadilha satânica. Muitas vezes a paixão leva seus prisioneiros a matarem ou morrerem.

Vejamos, por exemplo, o caso do rei Davi, que chegou ao extremo de sua paixão. Mandou matar um dos seus mais fiéis soldados, só para ficar com a mulher dele. Ela, aliás, já até esperava um filho de Davi.

Para encobrir a verdadeira paternidade desta criança, o rei mandou que Urias fosse chamado ao palácio, e lhe ordenou passasse uma noite em casa. Mas ele era tão fiel a Davi, que se recusou a dormir com sua própria mulher:

“Respondeu Urias a Davi: a arca, Israel e Judá ficam em tendas, Joabe, meu senhor, e os servos de meu senhor estão acampados ao ar livre; e hei de entra em minha casa, para comer e beber e para me deitar com minha mulher? Tão certo como tu vives e como vive a tua alma, não farei tal coisa.”2 Samuel 11.11

Esta fidelidade custou-lhe a vida: “Pela manhã, Davi escreveu uma carta a Joabe (...) dizendo: ponde Urias na frente da maior força da peleja; e deixai-o sozinho, para que seja ferido e morra.” (2samuel 11.14,15).

Por causa de uma paixão demoníaca, no final de 1994, nos Estados Unidos uma mulher apaixonada, rejeitada pelo amante por ter dois filhos, um de quase dois anos um de três anos, resolveu se desfazer deles para se ajuntar com o amante. Amarrou as crianças no interior de seu automóvel e o jogou em um lago. Quantos têm cometido verdadeiras atrocidades movidos pela paixão? Não resta a menor dúvida que paixões deste tipo são alimentadas por um espírito demoníaco, capaz de qualquer coisa.

Já o amor é o inverso da paixão. Enquanto a paixão é dirigida para si mesmo, o amor é dirigido para o outro. Ele é o sentimento que expressa o querer bem a pessoa amada. A Bíblia define o amor da seguinte maneira:

“O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba ; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência passará.”

1 Coríntios 13. 4-8

O maior exemplo de amor foi praticado pelo próprio Deus: “ Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito , para todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16). A Bíblia diz ainda: “E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem para com nós. Deus é amor, e aquele que permanece com amor permanece com Deus, e Deus, nele. Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que, no Dia do Juízo, mantenhamos confiança; pois, ele é, também nós somos neste mundo. 1 João 4. 16-21

No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor. Nós amamos porque Ele nos amou primeiro.

Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão.”

Capítulo 9


Os dez mandamentos da mulher de Deus

A mulher de Deus é aquela que um dia aceitou o Senhor Jesus como Salvador, tornou-se uma nova criatura e deseja viver uma vida de dedicação à Obra de Deus.

Por isso, deve ser uma pessoa realmente transformada, cheia do Espírito Santo e obediente à palavra de Deus, que exige dela, dentre outras, as seguintes características:

1) Temer ao Senhor- este temor faz com que ela veja o marido como se fosse o Senhor Jesus, mesmo que ele seja incrédulo, Palavra de Deus diz: “... mas a mulher que teme ao Senhor essa será louvada.” (Provérbios 31.30)

2) Ser sábia – a mulher de Deus é sábia; por isto, fala pouco, ou só mesmo o necessário. Quando a pessoa fala muito é porque é egoísta, e sempre quer impor aos outros as suas idéias e pensamentos. Está escrito: “O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios a si mesmo se arruína.” (Provérbios 13.3).

3) Ser discreta – a mulher de Deus nunca procura chamar a atenção dos outros para si. Seu comportamento é contrário ao das mulheres do mundo; sua fala é suave e seus vestidos são discretos. Seu rosto pode ser maquiado, mas não mascarado; seu cabelo é penteado, mas não de forma exótica. Afinal, dizem às Sagradas Escrituras: “Como jóia de ouro em focinho de porco, assim é a mulher formosa que não tem discrição.” (Provérbios 11.22).

4) Ser virtuosa – a mulher virtuosa é aquela que procura cuidar muito mais do seu coração do que do seu exterior. Tem, como fragrância no seu corpo, a plenitude da presença do Espírito Santo, conforme está escrito: “Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem.” (2 Coríntios 2.15).

5) Ser forte – não se abater diante das dificuldades; pelo contrário, quando os momentos difíceis acontecem, sua determinação de mulher de Deus é realçada: “a força e a dignidade são os seus vestidos, e, quanto ao dia de manhã e, não tem preocupações.” (Provérbios 31.25).

6) Ser de fé – mulher de fé é aquela que vê nas dificuldades apenas novas oportunidades. Como dona-de-casa, sabe fazer do limão ema boa limonada! Estimula a fé do seu marido com palavras de ânimo e coragem: “O coração do seu marido confia nela...” (Provérbios 31.11).

7) Ser trabalhadeira – a mulher de Deus nunca é preguiçosa. Ela tem prazer em cuidar dos afazeres de casa de tal forma, que quando seu marido chega, tudo está em ordem. Ela não espera que os outros façam aquilo que é da sua competência: “É ainda noite, e já se levanta, e dá mantimento á sua casa e a tarefa às suas servas. Atende ao bom andamento da sua casa e não come o pão da preguiça.”

Provérbios 31.15,27

8) Ser fiel – a mulher de Deus não é fiel apenas ao seu marido, mas também à sua igreja. Sua fidelidade se faz transparecer no serviço de Obra de Deus:

“Aconteceu, depois disto andava Jesus de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus, e os doze iam com ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada madalena, da qual saíram sete demônios; e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com os seus bens.” Lucas 8.1-3

9) Ser sensata - a mulher de Deus sabe ser cuidadosa com suas palavras, especialmente quando o seu marido é incrédulo. Os lamentos e as reclamações nunca surtem bom efeito nos ouvidos de quem os ouve. Se é sensata, a mulher sabe como contornar uma situação desagradável, em vez de ficar reclamando todo o tempo.

A Palavra de Deus diz: “a morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.” (Provérbios 18.21); “O mexeriqueiro descobre o segredo, mas o fiel de espírito o encobre.” (provérbios 11.13).

10) Ter bons olhos – procurar ver as demais pessoas como Deus as vê. É verdade que há pessoas más, e que é difícil vê-las com bons olhos, mas porque a mulher de Deus os seus olhos sempre procurar ver o lado bom de tais pessoas. É melhor ser prejudicado com bons olhos do que alcançar vantagens com maus olhos:

“São os olhos a lâmpadas do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas, portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!” Mateus 6.22,23








Compartilhe

Share It

Compartilhe

Seu comentário é sempre bem vindo!

Fico muito feliz pela sua visita a esse espaço. Muito obrigada e volte sempre!!

Template by:

Free Blog Templates